Alimente a esperança e a Fé no futuro, reconheça o seu próprio valor, mantenha atitudes positivas e não se limite pelo medo

Nick Vujicic

Um desistente nunca vence, e um vencedor nunca desiste

Napoleon Hill


Mercado

A força do leilão rural

A modalidade de compra e venda via pregão continua sendo a maneira mais eficiente, objetiva e democrática de comercialização da produção agropecuária

29/07/2020 - 01:17 | Atualizado em 04/09/2020 - 12:44

Como toda atividade sócio-econômica, o leilão rural também passa por transformações. Muito se tem discutido sobre o protagonismo do pregão frente às novas ferramentas de compra e venda que usam a IA (Inteligência Artificial), cujas análises do perfil do cliente, através de dados extraídos de seus hábitos de consumo, estão cada vez mais sofisticadas e precisas, sendo fundamentais para as ofertas de negócios futuros.

No best-seller Ponto de Inflexão (Büzz Editora /2019), o empresário bilionário Flávio Augusto da Silva ressalta que nos negócios nada é perene. “A Kodak era líder global no mercado de fotografia e a Blockbuster era a maior locadora de filmes do mundo. Logo, estabilidade não existe”. Concordo com essa linha de raciocínio. E também acredito que, independentemente dos avanços tecnológicos e das novidades mercadológicas, duas características sempre serão valorizadas, ratificadas pelos gurus das Finanças: credibilidade e criatividade. É assim que pauto o meu trabalho, visando a valorizar o leilão rural, uma vez que tal modalidade de compra e venda de animais, bens e implementos agrícolas ainda é a melhor ferramenta de comercialização da produção agropecuária em escala.

Não caia nas armadilhas
Segundo a Lei 4.021/61, o leilão rural tem como obrigatoriedade a presença do leiloeiro, este devidamente credenciado pela Federação da Agricultura do Estado onde reside. Hoje em dia, alguns sites, grupos de Whatsapp e novos aplicativos promovem remates de maneira ilegal, pois os fazem sem a figura profissional. O leiloeiro, filiado à entidade representativa da classe, Sindicato Nacional dos Leiloeiros Rurais, é o único que regula e confere legitimidade ao leilão, agregando conhecimento e capacidade técnica para transmitir informações precisas e confiáveis, além de validar os usuais pré-lances e avalizar as vendas, haja vista que a Lei lhe confere Fé Pública. Todas as formas de leilão, incluindo as modernas, demandam a presença do leiloeiro, nem que seja de maneira on-line.

Os valores ético-morais são os pilares da profissão de leiloeiro rural. O profissional que goza de credibilidade, através de atitudes sérias e idôneas, e atua de maneira sinérgica com as novidades digitais, impostas pelo atual dinamismo dos Negócios, tem liberdade para desempenhar com assertividade e lisura o seu papel.

Para o sucesso no leilão é preciso cuidar de todos os elos, desde manejo e mão de obra até nutrição, instalações, sanidade animal, efeitos do meio ambiente e genética (marcadores moleculares). Penso que as novas tecnologias devam ser usadas a fim de otimizar os custos dos promotores dos remates. Só com acurácia nas informações e pressão de seleção é que se chega à sustentabilidade da atividade rural.

Com uma visão sistêmica de todo processo produtivo, análises mercadológicas e constantes planejamentos, eu ofereço ao mercado assessoria comercial que visa a implementar estratégias individualizadas para cada cliente. A metodologia de trabalho está amparada em excelência operacional, otimização de recursos e visão de resultados. O sucesso da empreitada só é possível porque a “ferramenta leilão” continua sendo a maneira mais eficiente, prática, objetiva e democrática de se comprar e vender animais. O objetivo estratégico para o desenvolvimento dos processos de cada parceiro comercial visa a melhorar a eficiência, a eficácia e a efetividade, buscando resultados cada vez melhores, unindo ambas as pontas, comprador e vendedor, da forma mais sinérgica possível. 

Um pouco de história (e estórias)
Em matéria publicada em maio de 2019*, aqui em Agro MP, o decano dos leiloeiros rurais em atividade no Brasil, Djalma Barbosa de Lima, discorreu sobre as transformações do setor: “O leilão moderno passou por três fases: a primeira, no início, quando Sérgio Piza, Paulo Pimentel e João Sampaio, fundadores da Programa Leilões, em 1975, contrataram os leiloeiros gaúchos Trajano Silva e Pinheiro Machado. Rapidamente também nos trouxeram para o ofício - eu e o Odemar Costa, que oriundos do Rádio, de forma natural, acabamos mudando a cadência da narrativa, caindo no agrado dos novos usuários paulistas. Em seguida, vieram os leilões-shows, ou seja, com as vendas nos principais hotéis e nas grandes casas de espetáculos dos centros urbanos. Nesta época, já nos idos dos anos 90, chegamos a realizar leilões milionários, como os de Orpheu José da Costa, Nagib Audi e Afonso Archilla Galan, dentre tantos outros notáveis, com vultosas movimentações financeiras balizadas pelo dólar. Posteriormente, vieram os pregões pela TV. Com o advento dos canais de televisão especializados no Agronegócio, a solução em comodidade imperou, eliminando os custos estruturais, com buffet, montagem, deslocamento dos animais… Os primeiros, chamados virtuais, apresentaram lotes de baixa qualidade, algo que rapidamente foi corrigido, passando a vender o que os criadores tinham de melhor, tendo como diferencial a maior visibilidade, o encurtamento das distâncias, permitindo a um vendedor do Paraná comercializar, em fração de minutos, o seu produto a um investidor lá de Rondônia. Tudo isso antes da internet”. *Vide texto na íntegra: https://agromp.com.br/post/e-dou-lhe-tres.

Devido às redes sociais, aos grupos de Whatsapp e aos aplicativos, o leilão rural passa por mais uma mudança, a qual denomino “Fase de Adequação”. Ainda estamos tateando o que as tecnologias vão trazer de benefício e até de prejuízo à atividade. O fato é que toda a cadeia tem que se adequar ao presente cenário. O processo de desenvolvimento de novos produtos começa com a busca de ideias. As maiores oportunidades são encontradas quando se descobrem as necessidades não satisfeitas dos clientes aliadas às inovações tecnológicas. Como sempre digo: o Agronegócio é o Brasil que dá certo! Precisamos ser otimistas: com trabalho sério, esmero e amor, tenho plena convicção de que a atividade sobreporá as mazelas. Eu acredito na força do campo!


Foto:

Marcelo Pardini contato@agromp.com.br

Marcelo Pardini é narrador, poeta, jornalista, pós-graduado em Marketing e leiloeiro rural. Titular da marca Agro MP - A voz do Agronegócio.

31 colunas publicadas