Ser sábio não quer dizer ser perfeito, não falhar, não chorar nem ter momentos de fragilidade. Ser sábio é aprender a usar cada dor como uma oportunidade para aprender, cada erro como uma ocasião para corrigir rotas, cada fracasso como uma chance para recomeçar

Augusto Cury

Cada adversidade, cada fracasso e cada mágoa traz junto a semente de um benefício equivalente ou maior

Napoleon Hill


Corrida

Um novo olhar sobre as corridas

A transmissão pela internet dos páreos no Jockey Club de Sorocaba bate recorde de audiência e agrada turfistas do Brasil e da América Latina

25/08/2020 - 12:03 | Atualizado em 13/09/2020 - 13:16

Devido à pandemia do covid-19 muitas transformações estão em andamento na sociedade, no Brasil e no mundo, culminando em mudanças de hábitos. Na área esportiva não é diferente. Funcionando com os portões fechados, atendendo às normas dos órgãos oficiais de Saúde, o Jockey Club de Sorocaba tem registrado significativo aumento na audiência das transmissões das corridas via internet. Saiba mais:

Para se ter uma ideia, no último encontro, realizado em 15 de agosto, mais de 1.200 usuários acompanharam simultaneamente as disputas dos grandes prêmios, com marca superior a 21.000 visualizações na somatória geral. Se considerarmos que a média por aparelho ligado à transmissão é de 03 pessoas no mesmo local, podemos afirmar que cerca de 60.000 espectadores vibraram com as corridas, ou seja, o equivalente a uma grande arena esportiva lotada, mais um indicador da força e da pujança do Turfe do cavalo Quarto de Milha no Brasil.

Quando fui convidado pelo presidente Mauro Zaborowsky, à frente da Diretoria no biênio 2018-19, para assumir a locução do Jockey Club de Sorocaba, eu sabia que os desafios seriam enormes. Procurei estudar as características dos principais narradores do Brasil e dos Estados Unidos, com especial atenção ao craque Nilson Genovesi. Vislumbrei a criação de um estilo próprio, que unisse informação e emoção, trazendo a minha tarimba de narrador de provas e rodeios, atividade exercida na juventude, atrelada aos novos conhecimentos oriundos do Jornalismo e do Leilão. E, claro, sempre aprendendo através das observações dos criadores, proprietários e treinadores, além dos bate-papos com os integrantes da Comissão de Corridas, profissionais com vasta experiência no meio, os quais respeito e admiro. Vale dizer que tive total apoio do Luizinho da Raia, que narrou as corridas em Sorocaba por mais de 20 anos. Sou grato a ele pela troca de experiência e por sua generosidade para com o novato. 

"É com muito prazer que falo sobre as transmissões do Jockey Club de Sorocaba. Hoje em dia, para mim, tem sido um divertimento muito grande ficar sentado na minha arquibancada particular, a minha poltrona, assistindo as corridas dos nossos cavalos. O formato está muito bom, a imagem maravilhosa, as novidades que vocês implantaram estão interessantes. Eu só posso elogiar a narração, que nos trouxe uma nova emoção em assistir as nossas corridas", diz Plinio de Rezende Kiehl, da Fazenda Santa Carolina, criador com 45 anos de experiência. "Tenho aproveitado muito. E fique certo de que continuarei acompanhando para sempre".

Marcelo Jorge, do Haras São Jorge, faz questão de dizer que as transmissões melhoraram. "Principalmente a narração. Pra resumir, hoje é possível fechar os olhos e sentir a corrida. A locução está precisa. Narrar corrida de Quarto de Milha não é fácil, dada a velocidade dos animais em 200, 300, 400 metros, com várias alternâncias de posição, especialmente no meio do pelotão, com um atacando, outro parando. A pronúncia dos nomes e dos pedigrees está corretíssima. Em relação à parte técnica, o ponto alto é o posicionamento das câmeras. As imagens no box são bacanas, pois podemos acompanhar o trabalho do largador, ver a forma de condução do treinador. A filmagem do drone, por cima, dá a real precisão da disputa, tirando toda e qualquer dúvida". Ele também fala sobre a pandemia: "confesso que no começo, fiquei muito assustado. Pensei: o que vai acontecer agora? Mas o mercado reagiu super bem, os leilões virtuais foram excelentes, o que deixou claro o amor das pessoas para com os cavalos, a paixão, o cuidado em não deixar faltar nada. As lives dos vendedores e as assessorias comerciais seguem firmes".    

Para Marcos Zaborowsky, que ao lado do pai, Mauro, comanda o Haras Vista Verde, a transmissão das corridas vem numa evolução constante: "Melhorou a internet, as imagens estão mais bonitas, a adição do drone foi incrível. A narração está espetacular, com uma emoção diferente a cada prova. As entrevistas que você implementou, antes da pandemia, também agregaram bastante", diz o turfista da nova geração. "Acredito que ainda precisa preencher os espaços vazios, entre as corridas, bem como começar a transmissão um pouco antes do primeiro páreo", sugere.

Jacky Silva
Acompanhar as corridas pela internet tem sido o novo hábito dos turfistas

À frente do Marketing do hipódromo, Marcos Rey, comenta sobre a interatividade: “através das nossas redes sociais, as pessoas têm compartilhado fotos e vídeos de onde acompanham as corridas, e nós as repostamos no Instagram. Outro atrativo é o chat do nosso canal no YouTube, que recebe centenas de comentários a cada encontro”.

A amplitude de divulgação da transmissão das corridas pela internet é algo muito rico. A nossa tropa chega aos mais variados pontos do planeta, da Argentina a Austrália, passando por Bolívia, Paraguai, Uruguai e Estados Unidos. Isso valoriza o cavalo Quarto de Milha de Corrida do Brasil.

Ériquinho Braga, do Haras Prata, diz o seguinte: "com o 'novo normal', ter a possibilidade de acompanhar as corridas do Jockey Club de Sorocaba ao vivo pela internet é um privilégio. A qualidade das imagens e os vários ângulos de filmagem fazem toda a diferença, além da emoção transmitida na locução pela voz do Agronegócio, Marcelo Pardini. Essa ferramenta traz visibilidade imensurável ao Quarto de Milha de Corrida, atingindo um público que talvez ainda não conheça pessoalmente o maior centro de corrida da América Latina, o Jockey Club de Sorocaba". 

Responsável pela equipe de transmissão do Jockey Club de Sorocaba há mais de 20 anos, Sérgio Marconi fica feliz ao relembrar como o trabalho de foto e vídeo era feito. "No início, usávamos fitas VHS, os cortes eram feitos a mão e o fotochart precisava de tempo extra para revelar os filmes", diz o profissional. "Depois veio a filmadora digital e o DVD, com áudio captado de um microfone de mão. Daí aumentamos a equipe e investimos numa mesa de edição, para levar as corridas aos camarotes do hipódromo, já com os resultados dos páreos escritos via gerador de caracteres. Com apoio da Diretoria presidida por Mauro Zaborowsky, tendo participação efetiva do seu filho, Marquinhos, passamos a trabalhar com câmeras full HD, colocadas em locais estratégicos, a fim de mostrarmos todos os detalhes. Contamos também com imagens aéreas, captadas por drone. Tudo enviado por fibra ótica, em alta qualidade de internet. Hoje, com anuência do presidente Érico Braga e dos atuais dirigentes, seguimos buscando evoluir, mostrando o enfrene e as corridas em tempo real para os mais distantes pontos do Brasil, da América do Sul e dos Estados Unidos, trabalho do qual eu e minha família muito nos orgulhamos em realizar".

Segundo Alexandre Dias, gerente do Jockey Club de Sorocaba, a transmissão pela internet tem sido de suma importância para os turfistas, por isso ele faz questão de acompanhar tudo de perto, visando a trocar ideias e somar forças com a equipe de filmagem: "As transmissões via internet, neste período em que as pessoas não podem vir ao hipódromo, têm sido fundamentais para aproximar os espectadores do incrível mundo do cavalo Quarto de Milha de Velocidade". E continua: "O seu carisma e entusiasmo, Marcelo, tem proporcionado grandes emoções aos turfistas. Reconhecemos a sua dedicação e a sua humildade em busca por conhecimento nessa desafiante atividade de narrador de corridas de cavalos".

O treinador Sérgio Souza fala que a transmissão das corridas pela internet tem contribuído para fomentar o Turfe quartista. "Tenho clientes de longe, que infelizmente estão impossibilitados de virem ao Jockey, devido à pandemia, então, ficam de olho em todos os lances, torcendo por seus animais. A sua narração está emocionante. Tudo isso contribui para a ampla procura de novos investidores. O mercado do Quarto de Milha de Corrida está bem aquecido".

Rodrigo Cavalcanti, diretor de Marketing da linha de equinos da Vetnil, afirma quão importante é o trabalho desenvolvido pelo Jockey Club de Sorocaba em prol do Esporte. "Os números da audiência da transmissão, especialmente neste momento histórico que estamos vivendo, ratificam a força do cavalo Quarto de Milha de Corrida. Para a Vetnil é motivo de honra e prestígio apoiar a entidade e toda a cadeia que ela representa, cavalos, criadores, proprietários, treinadores, veterinários, equipes de manejo. Em suma, ser parceira de quem cuida". 

A fim de não soar presunçoso, deixo claro que os elogios feitos à narração que estou criando foram espontâneos, uma vez que a minha abordagem aos entrevistados foi em relação à transmissão das corridas pela internet como um todo. Fico feliz com a ampla repercussão e sempre me coloco à disposição para a troca de conhecimento, visando a evoluir e valorizar o trabalho de toda a equipe do Jockey Club de Sorocaba, do escritório às turmas de limpeza e segurança. Juntos, somos fortes! Unidos, fazemos a diferença em prol do Turfe nacional!  

E é... agora! Abriu, abriu, abriu!


Foto:

Marcelo Pardini contato@agromp.com.br

Marcelo Pardini é narrador, poeta, jornalista, pós-graduado em Marketing e leiloeiro rural. Titular da marca Agro MP - A voz do Agronegócio.

31 colunas publicadas