Somos livres para mudar nossas crenças à medida que apresentamos nova comunicação. Substituamos emoções ruins e sabotadoras por curativas primárias: poder, vitória, paz, alegria, entusiamo e amor

Paulo Vieira

Bom mesmo é ir à luta com determinação, abraçar a vida com paixão, perder com classe e vencer com ousadia, pois o mundo pertence a quem se atreve e a vida é muito boa para ser insignificante

Charles Chaplin


Treinamento

O sonho dos cavaleiros

O que todo equitador mais quer é um cavalo dócil, manso, tranquilo e, ao mesmo tempo, ativo, habilidoso, ágil e responsivo aos comandos

26/07/2019 - 17:15 | Atualizado em 17/09/2019 - 23:39

O maior sonho dos cavaleiros é ter um cavalo dócil, manso, tranquilo e, ao mesmo tempo, ativo, habilidoso, ágil e responsivo aos comandos. Isso é possível desde que o tratamento para com o animal seja baseado no amor. A maneira como o tratamos certamente influencia nos resultados. Portanto, tenhamos em mente que os primeiros a serem “treinados” somos nós mesmos.

Julgo ser fundamental o respeito mutuo. Ouvimos muitas vezes reclamações sobre cavalos rebeldes, no entanto, quando isso acontece devemos nos perguntar como o animal está sendo tratado? De que maneira foi tocado pela primeira vez? As pessoas a sua volta o tratam com amor? A maneira ideal para acessar um cavalo, sem dúvida, é estarmos convictos do que queremos e, sobretudo, amá-lo e respeitá-lo.

O cavalo só não faz aquilo que requisitamos a ele quando não entende, portanto, cabe a nós sabermos de fato o que buscamos, pois ele aprende por repetição. É preciso saber a hora exata de corrigi-lo, bem como o momento certo para agradá-lo. Seguros do que pretendemos, passando de forma adequada o que almejamos, uma relação de total confiança se estabelece. E a cumplicidade só ganha força.

Márcio Mitsuishi
É preciso saber a hora exata de corrigi-lo e o momento certo para agradá-lo

Muitos confundem medo com respeito. Na realidade, o animal tem que sentir prazer no que faz e não se ver obrigado a realizar determinado exercício. Nem todo cavaleiro tem o discernimento e o bom senso de perguntar: onde estou errando? O por quê essa reação negativa do animal? O fato é que não paramos pra pensar que estamos nos relacionando com seres vivos que também sentem, pensam e decidem. O cavalo, sem dúvida, é o nosso espelho. Temos que corrigi-lo e agradá-lo imediatamente após cada situação. A disciplina é necessária e tem que existir, mas, com certeza, os mais disciplinados têm que ser os equitadores, ou seja, nós mesmos.

Temos nossos limites e eles também. Convictos do que queremos, com calma e respeito, saberemos cada vez mais acessar o nosso cavalo, tendo sucesso a cada etapa realizada. Não devemos pular fases, haja vista que alguns respondem imediatamente e outros são tardios, porém todos são acessíveis.

De uma forma geral, os equídeos - asininos, muares e equinos - aprendem por repetição, lembrando que toda ação gera uma reação, por isso é importante decidirmos o que queremos, pois nossas atitudes influenciam diretamente nas respostas deles. Eles foram criados para serem respeitados e, em troca, proporcionam a nós momentos inesquecíveis. Então, que saibamos cuidar, respeitar, amar e aproveitar o que eles têm de melhor a nos oferecer. Só assim a nossa relação será um verdadeiro espetáculo!

Foto cedida
Os equídeos aprendem por repetição - a cada ação nossa uma reação deles

Foto:

Dalva Marques mulhermuladeiraoficial@gmail.com

Dalva Marques é treinadora de equídeos e jurada de provas de marcha. Junto ao marido, Silvio Parizi, comanda o Rancho Bigorna, em São Sebastião da Grama/SP.

7 colunas publicadas

Publicidade
Banner Vetnil