Por que continuar sendo a mesma pessoa de sempre se você pode ser alguém muito melhor?

Richard Bandler

A credibilidade de um líder começa com o sucesso pessoal e se confirma na iniciativa de ajudar os outros a alcançarem o sucesso também

John Maxwell


Meu Pet

Dor nas costas em cães e gatos

É muito importante que o proprietário identifique quando algo não vai bem com o seu pet, levando-o à clínica veterinária o quanto antes

16/12/2019 - 13:02 | Atualizado em 07/02/2020 - 18:29

Cada vez mais percebemos que os nossos queridos pets apresentam problemas de saúde parecidos com os nossos. Isso acontece porque eles estão envelhecendo, assim como nós, e também devido ao fato de estarem expostos aos mesmos estímulos ambientais dos seres humanos. Uma queixa comum nos atendimentos clínicos de animais de pequeno porte é que eles apresentam com frequência dor na coluna.

Normalmente, cães e gatos nos dão pequenos sinais de que algo os incomoda: andar rígido; coluna arqueada; manqueira em alguma das patas; reclusão; parar de correr e brincar; deixar de subir e descer de locais onde iam antes (cama, sofá, escadas e rampas); redução do apetite, diminuição da interação com o proprietário e com os outros animais da casa (não permitem serem tocados, andam com o pescoço e a cauda baixos, choram ou gemem). Enfim, sintomas de dor que demonstram mudanças de comportamento.

É muito importante que o proprietário identifique quando algo não vai bem com o seu pet e o leve para a visita ao veterinário. Muitas vezes o dono inicia a terapia com medicamentos de uso humano para a dor e, estes, podem prejudicar os animais. Alguns analgésicos e anti-inflamatórios são tóxicos para cães e gatos, como, por exemplo, o Diclofenaco. Já o Paracetamol geralmente intoxica os felinos. Então, a escolha do tipo, a dosagem, a frequência e o tempo de administração desses fármacos é muito importante e só pode ser feita por profissional capacitado.

O veterinário fará análises clínicas durante a consulta para identificar o local da dor e provavelmente pedirá exames complementares. Radiografias, tomografias e ressonâncias magnéticas são utilizadas para identificar ou descartar alterações na coluna e nos discos intervertebrais de cães e gatos.

As hérnias são comuns entre os animais de companhia, assim como os bicos de papagaio, que nada mais são do que calcificações nas vértebras que causam quadros de dor e imobilidade. Além do mais, calcificações do núcleo do disco intervertebral, doenças degenerativas da medula, meningites, tumores, doenças infecciosas e traumas também levam aos mesmos sintomas clínicos. Dessa forma, outros exames podem ser requisitados, como hemograma, bioquímicos e análise do líquor (líquido que circula no sistema nervoso).

Qualquer animal pode ter dor, entretanto, algumas raças possuem predisposição a isso, devido à anatomia de sua coluna, como, por exemplo, os Daschunds, Shih-tzus, Basset hounds e Lhasas apsos. Os idosos também estão mais propensos. Alguns chegam a ficar paralíticos devido à protusão de disco.

Foto cedida
Os animais idosos são propensos às dores de coluna, ficando até paralíticos

A Medicina Veterinária possui recursos que podem ser utilizados no tratamento de coluna. Diagnóstico adequado é importante para que o melhor tratamento seja instituído. O uso de drogas anti-inflamatórias e analgésicas é o tratamento mais difundido, entretanto, há muito mais a ser feito: reabilitação com Acupuntura, Quiropraxia, Microfisioterapia, cadeiras de roda adaptadas, natação, esteira aquática, massagens. 

Os animais identificados com problemas de coluna provavelmente terão recidivas. O importante é mantê-los com qualidade de vida, minimizando a dor através de exercícios leves e programas de redução de peso. Converse a respeito disso com o médico veterinário de sua confiança. 


Foto:

Janaina Biotto contato@vilachicopethotel.com.br

A médica veterinária Janaina Biotto é especialista em Anestesia, Oncologia, Ozonioterapia e Acupuntura. Atende no Vila Chico Pet Hotel, em Botucatu/SP.

27 colunas publicadas