Para ser grande, sê inteiro: nada teu exagera ou exclui. Sê todo em cada coisa. Põe quanto és no mínimo que fazes. Assim em cada lago a lua toda brilha porque alta vive

Fernando Pessoa

Traga a autorresponsabilidade não apenas como uma filosofia de vida, mas também como uma crença forte e arraigada em sua mente, suas palavras e atitudes

Paulo Vieira


Meu Pet

Depressão em pets. Isso existe?

Estudos demonstram que a doença, cada vez mais recorrente nos seres humanos, também é diagnosticada com alta frequência em cães e gatos

05/09/2019 - 16:50 | Atualizado em 26/09/2019 - 11:24

As doenças comportamentais são frequentes e reduzem a qualidade de vida dos animais, gerando ansiedade, pânico, agressividade, fobia, alteração de humor e sono. Urina e fezes em locais inapropriados também são observadas nestes casos. Assim, a minha coluna de hoje aborda um assunto delicado: Depressão em cães e gatos.

É importante diferenciar problemas comportamentais de outras doenças com sintomas parecidos. Ambos os sexos e todas as raças podem sofrer da Depressão, entretanto, alguns trabalhos estão sendo feitos no sentido de estabelecer ligações entre características físicas, comportamentais e mutações gênicas. 

Já foram demonstradas características comportamentais herdadas, incluindo a habilidade de arrebanhamento dos Borders Collies e a aptidão de busca dos Retrievers, entre outros exemplos. Da mesma forma, características “ruins”, como propensão a desenvolver a Depressão e a ansiedade, também podem estar relacionadas à genética, tornando algumas raças mais susceptíveis do que outras. Acredita-se que haja maior predisposição do quadro depressivo em cães de companhia, talvez por possuírem maior dependência emocional do dono. Empiricamente, a experiência prática nos leva a crer que raças como Labrador e Cocker Spaniel sejam propensas à Depressão.

Os sinais mais claros da Depressão são redução do apetite, excesso de sono, perda de peso, tristeza e isolamento dos demais membros da casa. Para ajudar o doente é necessário consultar o veterinário de sua confiança para que o profissional identifique a causa do problema e oriente a melhor forma de tratamento: terapia comportamental, que consiste em alterações ambientais e na rotina do animal, associada ou não à terapia com medicamentos. 

Foto cedida
Procure o médico veterinário ao observar os sinais da Depressão em seu pet

Enriquecimento do ambiente com sons, brinquedos, atividades físicas, interações sociais, adaptação gradual às novas situações e mudanças de rotina ajudam a reduzir a probabilidade de o animal ficar depressivo ou ansioso. Junto à terapia comportamental podem ser associados medicamentos antidepressivos, ansiolíticos, antipsicóticos, florais, homeopatias, fitoterapias e até sessões de Acupuntura.

As causas da Depressão animal normalmente são diferentes daquelas em humanos. Os animais geralmente a desenvolvem por mudanças ambientais. Logicamente que causas físicas acabam por alterar os neurotransmissores nos cérebros de pessoas e animais, da mesma maneira, caracterizando a Depressão como uma doença e não como um estado momentâneo. É comum também a Depressão secundária fisiológica, decorrente de estresse cirúrgico, hipotireoidismo, cardiopatias, problemas nutricionais etc. É por isso que se torna importante a identificação da causa de cada caso para o tratamento específico.

Devemos diferenciar a tristeza momentânea (perda de um ente querido, de um cão companheiro, mudança de casa, chegada de um bebê, introdução de um novo animal), que normalmente é passageira e exige adaptação, da Depressão como forma de doença, que acaba sendo mais prolongada e deve ser tratada muitas vezes com medicamentos. É comum que as “tristezas momentâneas”, quando não tratadas corretamente, levam a um estado depressivo. Para evitar isso é interessante procurar orientação de profissionais da área de Comportamento Animal.

A Depressão e os problemas comportamentais têm cura, mas exigem dedicação e carinho por parte dos tutores. Exercícios físicos regulares de acordo com a raça e a idade do animal, bem como interações sociais com outros bichanos e pessoas, também reduzem a incidência do problema. Em suma, sempre trate o seu pet com amor! 


Foto:

Janaina Biotto contato@vilachicopethotel.com.br

A médica veterinária Janaina Biotto é especialista em Anestesia, Oncologia, Ozonioterapia e Acupuntura. Atende no Vila Chico Pet Hotel, em Botucatu/SP.

10 colunas publicadas

Publicidade
Banner Haras Lagoinha