A arte de viver consiste em tirar o maior bem do maior mal

Machado de Assis

Como produzir Oxitocina, este elixir emocional? Tendo amor-próprio e amando os outros. É fundamental tratar bem qualquer pessoa que cruze o seu caminho, para que a química emocional não seja desfeita

Paulo Vieira


Corrida

Quanto custa um potro de Corrida?

Saiba a resposta desta frequente pergunta e confira o que acontece no Jockey Club de Sorocaba, a Casa do Quarto de Milha de Corrida do Brasil e da América do Sul

22/07/2019 - 12:58 | Atualizado em 16/09/2019 - 18:17

Este texto é escrito a "quatro mãos”, por mim, na figura de presidente do Jockey Club de Sorocaba, e pelo amigo Jonatas de Oliveira Dantas Filho, presidente do Centro Hípico D’Oeste. Começamos a abordagem com a frequente pergunta que nos fazem tanto proprietários do Brasil como turfistas da América do Sul: quanto custa um potro de Corrida? A resposta é fácil e a publicamos na Revista do Jockey Club de Sorocaba 2019, na página 41: R$ 103.591,41 - média de preço obtida pelos 256 potros vendidos este ano no tattersall do Jockey Club de Sorocaba.

Ora, se a média de um potro de Corrida de um ano e meio é R$ 103.591,41, nós temos mais é que cuidar do nosso negócio e do bem-estar animal. É por isso que o Jockey Club de Sorocaba faz os exames das finais dos Grandes Prêmios em um dos cinco únicos laboratórios do mundo homologados pela IFHA (International Federation of Horseracing Authorities), a maior autoridade em cavalos de Corrida do mundo.

Infelizmente, os laboratórios nacionais ainda não estão 100% preparados para testarem todas as drogas proibidas. Daí, para o esporte limpo, em igualdade de condições, para a saúde de nossos cavalos, a economia de gastos dos proprietários, para honrar o investimento em genética feito pelos criadores, a Comissão de Corridas e a Diretoria do Jockey Club de Sorocaba, com apoio da AQHA (American Quarter Horse Association), tomaram a decisão de fazer o exame de antidopagem em laboratório oficializado pela maior autoridade mundial de corridas de cavalos. Como só existem cinco no mundo, sendo eles, Racing Analytical Services Limited (Austrália), Le Laboratoire Des Courses Hippiques (França), LGC Group, Sport & Specialised Analytical Services (Inglaterra), Hong Kong Jockey Club Racing Laboratory (China), Kenneth L. Maddy Equine Analytical Chemistry Lab e University of California at Davis (Estados Unidos), escolhemos este último pela proximidade, maior agilidade e apoio da AQHA.

Não é só Sorocaba que utiliza os referidos laboratórios. Os dois principais hipódromos do Brasil, Gávea (Rio de Janeiro) e Cidade Jardim (São Paulo), utilizam o da França. O hipódromo de Palermo, em Buenos Aires, na Argentina, também. A realização dos exames nos Estados Unidos é um compromisso desta e das próximas diretorias para que o esporte continue justo, sem perder fãs nem participantes, valorizando ainda mais os nossos potros.

O Futebol, paixão mundial, inova sempre, a fim de não perder fãs. Na Copa América, realizada no último mês no Brasil, as amostras para exames de antidoping foram enviadas para um laboratório especializado na Alemanha. Os resultados ainda não saíram e o Torneio já terminou. A implantação do “VAR”, do inglês Video Assistant Referee (árbitro de vídeo), é para garantir o esporte justo, em que vença o melhor. Gera polêmica na implantação, mas evita que um “esperto” faça gol com a mão ou simule um pênalti, sem que o juiz de campo consiga ver a verdade. Em seis meses estaremos todos acostumados com o “VAR”, findando as críticas e elevando o esporte limpo!

A página 118 da Track Magazine de junho traz a palavra de Janet Van Bebber, Diretora Geral de Corridas da AQHA. Ela cita os planos que a entidade elaborou para enfrentar os pseudoprotetores de animais, que buscam "pelo em ovo" para tentar acabar com a nossa atividade. Nós, do Jockey Club de Sorocaba, fazemos tudo pelo bem-estar animal e humano. O exame de antidoping em laboratório credenciado faz parte disso. Podem criticar, reclamar, ameaçar, mas se queremos ter uma atividade perene, que dure muitos anos, temos que têr a coragem de enfrentar as críticas e estender a realização dos exames de antidoping em laboratório IFHA. Nossos filhos e nossos animais agradecem a nossa repulsa ao doping. É assim que atraímos pessoas boas para o esporte, espantamos os que não concordam com as regras justas, defendemos o “bolso” dos proprietários e a saúde de nossos queridos cavalos.

Agradecemos novamente o apoio de criadores, profissionais, empresas, prestadores de serviços e compradores que participaram do II Leilão Mixed Sale do Jockey Club de Sorocaba. Um sucesso! A importância de sua doação, de sua compra e de seu trabalho voluntário fez toda a diferença para a saúde financeira de nossa entidade.

Vale reforçar que até o fim do mês você deve confirmar o seu potro da geração 2017 no Grand Prix! Com um investimento de 10 x R$ 550,00, você tem inscrição para toda a vida. Pode correr fora, no Sul, no Nordeste, no Mato Grosso, mas quando quiser voltar, correrá devidamente inscrito em Sorocaba. Veja que as ganhadoras do Grande Prêmio Rainha da Velocidade - Eye Secret (No Secrets Here x Eye Am Bueno, por Mr. Eye Opener) e Mestiça Fly HWS (Gold Medal Jess x Carol Fly, por Signed To Fly) - foram compradas pra correr fora. As potrancas fizeram campanha no Mato Grosso e no Paraguai, respectivamente, mas como têm inscrição no Grand Prix vieram correr e vencer em Sorocaba. O próprio Rei da Velocidade, Yankee Verde (No Secrets Here x Bits Of Bliss, por Streakin La Jolla), ficou um ano parado e voltou a correr, pois tem inscrição para toda a vida em Sorocaba.

Rafaela Ferraz
A dupla ganhadora do Rainha fez campanha fora e venceu em Sorocaba

Você percebeu que em Sorocaba vence o melhor cavalo, seja ele de onde for? Veja, por exemplo, a Adele Vista (No Secrets Here x Hopeful Eye, por Mr. Eye Opener), que ganhou o Torneio Início para os sócios do Stud dos Amigos, Roberto e Ariel, da Argentina. O próprio Tyrion Kisser (Gold Medal Jess x The Goodbye Kisser, por First Down Dash), que venceu o GP Potro do Futuro, é do Kiko e do Picinim, do Mato Grosso. A Eye Secret pertence a estes mesmos proprietários. Outro animal que elucida o que estamos afirmando é o Triger Jess MRL (Gold Medal Jess x Ava Triger Beduino, por Chicks Beduino), da parceria entre Clodoaldo Miranda, do Mato Grosso do Sul, Mauro Gazzani, do Espírito Santo, e Ary, de São Paulo. Há outros diversos exemplos de vitórias de Jorge Caballero, Carlos Godoy, do Paraguai; Jimmy, Papito, Mário, da Bolívia; Dr. Cláudio Rocha, Dr. Rafael Leal, Eládio e outros tantos, do Ceará; Guy Peixoto, Paulo Otávio, Stud JSS, do Pernambuco; Daltro Santos, Juarez Raupp, Charlie, do Sul. Isso significa igualdade de condições.

Rafaela Ferraz
O vencedor do GP Potro do Futuro pertence a turfistas do Mato Grosso

Não se esqueça que até o dia 31 de julho você aproveita a “casadinha” e faz a inscrição com desconto no Megarace e no Brazilian Futurity, as duas mais ricas provas nacionais. Já a mais tradicional, Potro do Futuro, também pode ter confirmação até a referida data. Aproveite! Ligue para a nossa equipe e garanta a possibilidade de vivenciar fortes emoções em 2020 no Jockey Club de Sorocaba, a Casa do Quarto de Milha de Corrida do Brasil e da América do Sul!

Rafela Ferraz
O novo Rei da Velocidade voltou de lesão para vencer em Sorocaba

Foto:

Mauro Zaborowsky mauro@harasvistaverde.com.br

O empresário Mauro Zaborowsky é titular do Haras Vista Verde, em Boituva/SP, um dos mais vitoriosos do país. É também presidente do Jockey Club de Sorocaba.

12 colunas publicadas

Publicidade
Banner Haras Lagoinha