Se, a princípio, a ideia não é absurda, então não há esperança para ela

Albert Einstein

A criatividade nasce da angústia, como o dia nasce da noite escura. É na crise que nascem as invenções, os descobrimentos e as grandes estratégias. Quem supera a crise supera a si mesmo, sem ficar superado

Albert Einstein


Veterinária

Odontologia equina

Exames e tratamentos dentários evidenciam que a saúde bucal tem tudo a ver com a vitalidade integral sistêmica do cavalo

11/10/2020 - 20:19

“Cavalo dado não se olha os dentes”. O velho ditado popular não se aplica mais hoje em dia, pois está claro que os equinos também precisam de cuidados odontológicos, uma vez que podem apresentar cáries, mau posicionamento dentário, desgastes excessivos, pontas e até dentes extras. Ao não mastigarem adequadamente, eles comem menos e perdem massa corporal. Por causa da dor, tornam-se agressivos ou apáticos. Saiba mais:

Como prevenção, os equinos devem ser examinados regularmente por médico veterinário especializado. Há que se atentar à mastigação, observando se não há salivação excessiva, sangue na boca ou se grãos inteiros aparecem em suas fezes, sinais de que existam ínguas ou pontas extras, machucando o interior da boca do animal, prejudicando a mastigação e a digestão. Tais dificuldades devem ser devidamente tratadas e solucionadas, a fim de não causarem prejuízos à saúde do equino. Em casos mais avançados, a má digestão pode levar à síndrome cólica.

Beto Negrão
A má digestão pode levar o equino a sofrer com as síndromes cólicas

Existem diversas causas que dificultam a mastigação dos cavalos. Uma delas é bastante curiosa, o fato de os dentes dos equinos não pararem de crescer. Isso mesmo! Tal particularidade se chama “erupção contínua”. Mas como a Natureza é sábia, na época em que os cavalos ainda não eram domesticados e se alimentavam em diferentes pastagens, os seus dentes sofriam desgastes intensos durante o pastejo. No entanto, depois da domesticação, os seres humanos mudaram completamente os hábitos e os padrões alimentares dos equinos. O confinamento, a ração, o feno, o milho, a aveia e a pastagem cultivada passaram a não causar o mesmo desgaste aos seus dentes, pois o animal passou a fazer com menor frequência o movimento de selecionar, colher e até mesmo arrancar o capim do solo. Assim, como os dentes dos equinos crescem cerca de 03 mm por ano, as pontas excessivas passaram a machucar a sua boca, formando feridas na bochecha e na língua, daí a importância dos cuidados dentários.

É fundamental que, periodicamente, os animais sejam acompanhados por veterinário para a realização do desgaste e do nivelamento dos dentes, eliminando as pontas que prejudicam a mastigação. O profissional diagnostica e trata a saúde da boca do cavalo, bem como previne doenças. A Odontologia equina é uma especialidade relativamente nova na Medicina Veterinária e já se tornou essencial na rotina da maioria absoluta dos haras.

Proprietários e treinadores estão cada vez mais valorizando os exames e os tratamentos dentários dos animais porque já constataram que a saúde bucal tem tudo a ver com a vitalidade integral sistêmica do cavalo. O equino passa, em média, 18 horas por dia se alimentando. Com dentes saudáveis, ele consegue triturar melhor os alimentos e aproveitar todos os nutrientes da comida durante a digestão, pontos que atuam diretamente em sua fisiologia, melhorando, inclusive, o desenvolvimento e até o desempenho esportivo e reprodutivo. Por isso, a afirmação de que a saúde começa pela boca (ou pelos dentes) está corretíssima!

Beto Negrão
Com dentes saudáveis, o equino consegue triturar melhor os alimentos