Pessoas de sucesso não costumam desistir de seus sonhos: elas aprendem com os erros e perseveram. Após falhar, elas mudam: agem, pensam e sentem de maneira diferente

Paulo Vieira

Fundamental é mesmo o amor. É impossível ser feliz sozinho

Tom Jobim


Veterinária

Imprinting em potros recém-nascidos

A técnica faz com que o equino neonato seja complacente e aceite a companhia humana, contribuindo diretamente para o sucesso dessa relação no futuro

20/06/2019 - 02:08 | Atualizado em 18/09/2019 - 06:12

Existe uma maneira de assegurar que o potro recém-nascido seja manejável e, posteriormente, fácil de ser treinado, algo que certamente trará benefícios à vida atlética do animal. Tal processo tem o nome de imprinting e é realizado em até duas horas após o nascimento do equino. Saiba mais sobre o assunto, através dos conhecimentos práticos e científicos do Dr. Francisco Lança, médico veterinário com vasta experiência com cavalos de Corrida, tanto no Brasil como no exterior. O profissional colaborou diversas vezes com o Portal InfoHorse, veículo de imprensa do jornalista e leiloeiro rural Marcelo Pardini, que esteve no ar até 2018, e uma dessas valorosas matérias é reproduzida aqui:

Os objetivos do imprinting são: ligação com os seres humanos; dessensibilização a certos estímulos, e sensibilização a outros impulsos. “Em minha opinião, acho que muitos cavalos estão sendo mal treinados e demonstram agressividade. Os potros precisam aprender a serem conduzidos sem resistência. O neonato deve ficar condicionado a nós, humanos, através de um vínculo de confiança mutua”, diz Dr. Francisco Lança.

Marcelo Pardini
O objetivo da técnica de imprinting é a ligação do potro com o ser humano

A técnica, passo a passo
- Cronometragem:
o processo de imprinting quando feito inadequadamente pode fazer mal ao equino recém-nascido, por isso deve ser aplicado no momento do nascimento, nem poucas horas depois nem no dia seguinte ao parto.
- Persistência: não é difícil de ser executado, basta ser persistente em cada etapa do processo. Parar a técnica antes da aceitação completa do contato pode resultar no efeito oposto, a rejeição por parte do animal.
- Confiança: comece ajoelhado na parte de trás do potro, agarrando o pescoço do animal até flexioná-lo suavemente na direção da cernelha. Isso vai evitar que ele fique de pé. Passe a toalha. Durante esse tempo permita o acesso irrestrito da égua a ele. Tal procedimento permite que o animal conheça você e o tome como fator dominante em sua vida. Isso não é medo e, sim, respeito.
- Dessensibilização: a primeira dessensibilização é com a toalha. Comece na cabeça, esfregando-a suavemente. Depois, coloque o dedo cuidadosamente na boca, nos ouvidos e nas narinas do potro. Ser persistente é vital para cumprir os objetivos, a completa aceitação e o relaxamento. Cuidado com os pés! Acaricie o potro até que haja total aceitação do contato. Dividindo o corpo do animal em seções, você trabalhará em cada uma vagarosamente. No início, o animal será reativo, mas relaxará com o tempo. “Evite a dessensibilização na virilha. As pernas devem ser repetidamente flexionadas e esticadas até que o potro se torne passivo no processo. A parte inferior do pé pode ser manipulada suavemente com a palma da mão, o que é fundamental para um futuro casqueamento tranquilo. Áreas onde você pode minimizar são ​​períneo e virilha. Passe mais tempo com as tetas (fêmeas) e a bolsa escrotal e o pênis (machos), uma vez que tais partes serão importantes na vindoura fase de Reprodução”, ensina o veterinário.
- Tempo: pode demorar uma hora ou mais. Não se apresse. Continue a trabalhar em cada área até que o potro esteja completamente relaxado.

“Após o procedimento, o potro estará complacente, aceitando a companhia humana. No futuro, ele será facilmente conduzido e treinado”, afirma Dr. Francisco Lança. Em suma, o imprinting é permanente e resulta num equino destemido, confiável e respeitador.


Publicidade
Banner Haras Lagoinha