Suba o primeiro degrau com Fé. Não é necessário que você veja toda a escada. Apenas dê o primeiro passo

Martin Luther King Jr.

São as forças naturais que estão dentro de nós que curarão as nossas doenças

Hipócrates


Mercado

Qual a sela certa para você?

O seleiro Juliano Paião, da tradicional Selaria Nossa Senhora Aparecida, dá dicas de como os competidores devem escolher o equipamento correto

25/05/2020 - 19:06 | Atualizado em 19/06/2020 - 11:57

A sela é o principal equipamento para o sucesso do equitador nas provas equestres. O propósito da armação do produto é encaixar-se adequadamente à região dorso-lombar do animal, funcionando de forma integradora entre cavalo e cavaleiro. Neste sentido, a Agro MP elaborou dicas embasadas nos conhecimentos técnicos e práticos do seleiro Juliano Paião, da Selaria Nossa Senhora Aparecida, que há mais de 60 anos desenvolve equipamentos para os mais exigentes clientes, em Presidente Prudente, no interior de São Paulo. Saiba mais:

O encaixe determina o quão confortável é a sela, especialmente nas competições de velocidade, cujo objetivo é deixar o cavalo solto – movimentos livres, amplos e velozes. Considerando que os produtos tradicionais têm como base a madeira, torna-se imperativo que a armação seja bem ajustada, tanto para o equino como para o competidor.

Divulgação
A sela e os demais acessórios compõem a integração cavalo-cavaleiro

Muitos competidores amadores, especialmente àqueles em início de carreira, optam por selas grandes, cheias de enfeites, em detrimento aos produtos com eficácia comprovada, que contribuem para o sucesso nas provas contra o cronômetro. Eles não se atentam pelo fato de o equipamento ser individual, tendo o tamanho adequado ao acento do atleta. “Se a distância entre a cabeça (parte frontal) e a virola (traseira) é excessiva, o cavaleiro se desloca pra frente e pra traz, impedindo que o cavalo trabalhe com amplitude máxima, desequilibrando-o. Isso pode gerar atritos na cernelha (anterior) e no lombo (posterior) do animal, machucando-o”, diz Juliano Paião. 

Quando o assento da sela é grande, os estribos não têm caimento adequado, consequentemente, o competidor fica com a ponta do pé direcionada pra baixo, balançando a perna pra frente, fazendo com que o cavalo perca o ponto de equilíbrio. "Antes de adquirir a sua próxima sela, consulte um especialista", reforça Paião.

Divulgação
Sentindo-se confortável, o cavaleiro tem prazer pela montaria

O tamanho correto do assento da sela é de extrema importância para uma boa equitação. “Quando a pessoa se sente confortável, com os pés nos estribos e, estes, devidamente bem posicionados e ajustados, a montaria se torna equilibrada. Em se tratando de competição, isso faz com o equitador sinta prazer, contribuindo diretamente para a sua alta performance”, fala Juliano, cuja equipe desenvolve produtos sob medida.