A evolução para o próximo nível surge a partir de um pequeno toque, de um olhar diferente sobre determinadas situações, um detalhe sutil que faz você se mover com determinação na direção certa

Caio Carneiro

Grande parte dos maiores erros humanos ocorre no primeiro minuto de tensão

Augusto Cury


Conexão

O direito a ser correto

Dentre as obrigações do bom jornalista está a apuração, que busca a acurácia das informações e joga luz aos fatos, sempre através de uma visão holística

07/02/2020 - 17:16 | Atualizado em 07/02/2020 - 17:16

Quando o soberbo e agressivo Gilmar Mendes, na Era PT, tirou a obrigatoriedade da formação acadêmica (diploma) em Jornalismo, o embrião das fakenews foi efetivado. Tal decisão, tomada em 2009, camuflada em "defesa da liberdade de expressão", mostrou-se uma forma clara e evidente de destruir o bom Jornalismo, uma vez que, dentre outros malefícios, deu forças às ideias pseudosocialistas, que arruinaram a Imprensa e a Universidade brasileiras, além de causar sérios danos à vida do brasileiro de bem.

“Sem crise não há desafios. Sem desafios a vida é uma rotina, uma lenta agonia. Sem crise não há mérito. É na crise que se aflora o melhor de cada um”, Albert Einstein. A frase do sábio físico alemão se encaixa no momento atual vivido pela imprensa nacional. Como profissional de mídia, com a devida formação acadêmica, reitero que dentre as obrigações do bom jornalista está a apuração, que busca a acurácia das informações e joga luz sobre os fatos, sempre através de uma visão holística.

A referida decisão “gilmarmendesana” foi tão absurda, que fazendo um comparativo com outras áreas, seria o mesmo que dizer que para se construir uma casa não seriam necessários os cálculos do engenheiro civil; para se realizar uma cirurgia não seria preciso o conhecimento do médico; para se promover um leilão não seria imprescindível o trabalho do leiloeiro credenciado. O discurso à época foi: “se tem aptidão àquilo, qualquer um pode fazer, não precisa formação superior”. Um completo absurdo! Uma ideia bandida, travestida em “liberdade de expressão”, cujo foco foi acabar com o Jornalismo sério e de alta qualidade, fazendo com que o senso crítico da população “se massificasse”, visando a produzir alienados, que são facilmente manipulados pelos detentores do poder.

O historiador grego Heródoto revelou que “a adversidade tem o efeito de atrair a força e as qualidades de um homem, que as teria adormecido na sua ausência”. O gigante despertou e a classe média brasileira, a que mais sofreu pelos desgovernos da turma de Brasília, desde FHC a Dilma, agora dá sinais de não aceitar calada as barbaridades que a maioria absoluta dos políticos tenta nos enfiar goela abaixo. Como gravou na História um dos principais defensores dos direitos civis dos negros nos Estados Unidos, Martin Luther King Jr.: “é melhor tentar e falhar, que preocupar-se e ver a vida passar. É melhor tentar, ainda que em vão, que sentar-se, fazendo nada até o final”. Então, vamos bradar por Justiça! Vamos lutar pelo direito a sermos simplesmente corretos!

Em resumo, reforço que este Supremo Tribunal Federal não me representa. Ele pode ser legal, mas é imoral.


Foto:

Marcelo Pardini contato@agromp.com.br

Marcelo Pardini é narrador, poeta, jornalista, pós-graduado em Marketing e leiloeiro rural. Titular da marca Agro MP - A voz do Agronegócio.

22 colunas publicadas

Publicidade
Banner Vetnil