O que mais preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons

Martin Luther King Jr.

É muito mais produtivo colocar a sua energia em descobrir uma maneira de conseguir o que quer ao invés de procurar um culpado para as suas dificuldades

Roberto Shinyashiki


Música

Belas canções nas plataformas digitais

Por meio da One RPM, uma das maiores distribuidoras de música do mundo, Marcelo Pardini lança as suas composições

07/08/2020 - 13:23 | Atualizado em 31/10/2020 - 22:32

Pela primeira vez eu me arrisquei a escrever música. As letras vieram em minha mente e logo a melodia se formou, daí já imaginei os instrumentos a serem usados em cada arranjo... Voilá! Para o livro "Coração de Poeta - O legado do Bem" (eBook vendido com exclusividade na Amazon), produzi 10 canções em 10 estilos diferentes, de bossa a country, de samba a blues! Isso só foi possível devido à parceria profícua com o músico multinstrumentista Mateus Guimarães, que me apresentou a cantora Gi Motta (que participa de várias faixas) e o saxofonista Davi Oliveira.

Na última semana, subi os arquivos das canções para a One RPM, uma das maiores distribuidoras de música do mundo, que as compartilhou nas principais plataformas digitais, como Spotify e Deezer. Para escutá-las, basta digitar "Marcelo Pardini" e clicar na foto do álbum "Coração de Poeta - O legado do Bem".

Abaixo, faço um breve relato do processo criativo de cada uma delas:
Simplicidade caipira (moda de viola)

Valorizando a beleza do campo, o verdadeiro idílio rural, um cururu com viola e violão, sob a influência de Tião Carreiro & Pardinho, para exaltar a sofisticação que há na simplicidade da vida do novo caipira.

Reforma íntima (sertanejo)
Talvez a poesia mais bonita a qual tenha transformado em música... E no estilo que mais gosto, sertanejo. O arranjo tem violão, baixo, bateria e sanfona. Momento de vibração positiva e muita luz!

Meu nome é peão (country)
Das minhas 10 canções, esta é a que mais me identifico. A influência é do lendário Johnny Cash. O arranjo só tem violão e queixada, para dar uma sonoridade "bang-bang", bem clima de faroeste. Ela tem como introdução o lindo poema "Lá pras bandas do sertão".

Mantra generosidade e gratidão (forró)
Não pretendo ser o Gonzagão, mas compus o meu primeiro baião. O arranjo tem violão, triângulo, zabumba, sanfona e baixo. A letra é leve, feliz, super otimista! 

Faça as pazes com a felicidade (MPB)
Letra e melodia que remontam aos Anos 70, tendo arranjo com bateria, piano e o fabuloso piano elétrico Rhodes, sob a mágica influência de Elis Regina... Eis a minha primeira composição de Música Popular Brasileira.

Amizades (pop ballad)
Escrevi uma canção numa levada pop para valorizar uma das maiores bênçãos da vida: a amizade! Uma letra simples, bonita e verdadeira, como deve ser a amizade! A delicada melodia e o arranjo com violão, bateria e saxofone deixaram-na com um ar de cântigo gospel... Ela tem como introdução o poema "Verdadeiras amizades".

A sua marca no mundo (blues)
Tive a ousadia de escrever um blues! Isso mesmo: um blues! Mas como um simples caipira compõe uma canção cuja letra tem uma mensagem intensa, que leva à reflexão, e um arranjo que engloba piano, bateria, violão, baixo e saxofone? Ah, os encantos da Música... Vale dizer que o blues surgiu quando os escravos das fazendas de algodão, às margens do rio Mississipi, no Sul dos Estados Unidos, por volta de 1870, criavam e cantavam melodias lentas e chorosas... brados por transformações!

5.0 Mais amor (bossa)
A sutileza da letra se une à elegância do arranjo simples, que faz pulsar o coração através da harmônica parceria entre a dupla voz e violão.

4.0 Amor (reggae)
Uma canção bem praiana, com pé na areia e muita energia positiva! Letra e melodia que valorizam o amor e a felicidade. O arranjo com ukulele, baixo, bateria, piano elétrico e órgão trazem acalanto e paz de espírito.

1.0 Indulgência (samba)
O meu primeiro samba não poderia ser mais clássico: influência de Chiquinha Gonzaga, lá do final do século XIX... O arranjo é composto por piano, pandeiro, surdo e tamborim, e a letra é bem propícia ao momento atual.


Foto:

Marcelo Pardini contato@agromp.com.br

Marcelo Pardini é narrador, poeta, jornalista, pós-graduado em Marketing e leiloeiro rural. Titular da marca Agro MP - A voz do Agronegócio.

33 colunas publicadas